MAROLO 22 de agosto de 2016 – Tags:

marolo

Nome científico: Annona crassiflora Mart

Nomes populares: Marolo; também conhecido como araticum no cerrado e outros nomes comuns

Família botânica: Annonaceae

Características gerais: Fruto muito apreciado na sua região de origem, os cerrados de vários estados brasileiros, de Minas Gerais ao Piauí, sendo mais raro em São Paulo e no Paraná. É comercializado em mercados locais, coletado de plantas nativas, pois não há plantações comercias. É apreciado por sua polpa adocicada e aromática de cor alaranjada e levemente ácida. Fruto: é uma anona típica, composta por seus frutilhos, chamados de sincarpo; tem cerca de 15 cm de diâmetro epode pesar até 2 kg. Sua cor externa é marrom-claro, esverdeado, com a polpa creme-amarelada a alaranjada, firme e com numerosas sementes de cor negra a amarronzada. Existe outra espécie parecida, a Annona coriaceae, com folhas menores, mais arredondadas e glabras, com frutos menores e aroma mais fraco. De sua florada usual no fim da estação seca até setembro/outubro, ou até dezembro em outras regiões, pode originar frutos em fevereiro a março-abril, com 6 a 7 meses entre a florada e a colheita do fruto. Sua colheita é feita no chão quando cai da planta e exala forte odor, mas o ideal é colher na planta, no estádio de vez, quando dura mais na pós-colheita, mas se colhido verde não amadurece. Há vários tipos de araticum quanto a cor da polpa, rósea, mais doce e macio e amarela, mais ácida e outro de polpa branca, mas raro.

Usos: além de seu consumo ao natural, a polpa pode ser utilizada para se fazer compota, doces, geleia, sorvete, refresco, batida, bolos, bolachas, bombom, creme, gelatina, iogurte, pudim e sucos. O livro da série “Frutas Nativas” da SBF, de autoria de RIBEIRO & outros, de 2000, traz receitas de vários produtos citados. Como cada fruto tem muitas sementes, entre 60 a 130, a separação da polpa das sementes é necessária para consumir ou processar o fruto, o que se faz manualmente ou com auxílio de uma faca. A polpa pode ser conservada congelada, em sacos ou potes plásticos até um ano, mantendo suas características. Devido ao seu conteúdo em alcaloides e não alcaloides, pode ser utilizado como medicinal e a madeira tem uso como carvão. O extrato de sementes de marolo pode ser utilizado como inseticida, no combate às moscas das frutas.

marolo donadio

Foto à esquerda: Marolo mostrando ataque de broca no fruto. À direita, marolo e suas numerosas sementes.

Fonte: DONADIO, L.C.; ZACCARO, R.P. Valor nutricional de frutos.


VALOR NUTRICIONAL

marolo-vn

Com 76% de umidade, a polpa do marolo tem 90 kcal, ainda 1,22-1,28% de proteína, baixos teores de lipídios (0,49), carboidrato – 12,78. Seu valor calórico é de 87 cal/100 g, a acidez da polpa (Sol. N) é de 5,56%, com teor de açúcares de cerca de 14 oBrix, baixo nível de tanino e caroteno; fibras – 4,72.

Nas suas folhas há alguns aminoácidos, tais como arginina, histadina, lisina e ornitina.

Minerais – cálcio – 29 mg; zinco – 0,78 mg; ferro – 0,43 mg.

Vitaminas – caroteno – 0,23 %. Vitamina C – 21 mg.

Fonte: DONADIO, L.C.; ZACCARO, R.P. Valor nutricional de frutas.


INFORMAÇÕES ADICIONAIS

O araticum-do-cerrado, também conhecido como marolo, bruto, cabeça-de-negro, pinha-do-cerrado, pana, araticum-pana, cabeça-de-pinha, araticum-liso, araticum-cortiça, como seu próprio nome diz, ocorre no bioma cerrado, desde o estado do Paraná até Tocantins e Pará, sendo encontrado em São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás, Distrito Federal, Bahia, Piauí e Maranhão. Porém não apresenta ocorrência natural nos cerrados de Rondônia, Amazonas, Amapá, Roraima e Ceará. Esta espécie é explorada por extrativismo e, às vezes, plantada em quintais caseiros, sendo a polpa do fruto utilizada para o consumo natural ou para a confecção de doces, geleias, sucos, licores, tortas, iogurtes e sorvetes. Apresenta bom valor nutricional, principalmente como boa fonte de lipídeos e fibras dietéticas, além de várias vitaminas e minerais. (Dr. FRANCISCO RICARDO FERREIRA, Cenargen, Embrapa, Brasília-DF).