Amazônia em Foco debate Pragas quarentenárias 24 de junho de 2020 – Tags:

Em continuidade a série de debates on-line sobre temas do desenvolvimento agropecuário na Amazônia, a Embrapa Amapá e Embrapa Roraima realizarão na próxima sexta-feira, 26/06, das 18h às 20h (horário de Brasília) a live “Pragas quarentenárias no contexto da Amazônia brasileira”, com transmissão no canal da Embrapa no Youtube (www.youtube.com/embrapa).

  • Mosca-da-carambola, praga quarentenária presente no Amapá, Roraima e Pará. –
  • Foto: Cristiane Ramos de Jesus

O pesquisador Ricardo Adaime, da área de Entomologia Agrícola da Embrapa Amapá, e o analista Rinaldo Joaquim da Silva Júnior, que atua com Manejo Integrado de Pragas na Embrapa Roraima, vão discutir o tema com a coordenadora de Proteção de Plantas, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Graciane Gonçalves Magalhães de Castro. O debate será conduzido pelo Secretário de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Roraima, Emerson Carlos Baú. O público poderá enviar perguntas e comentários por meio do chat de interação da transmissão.

Durante a live, serão discutidos resultados de pesquisas e os desafios para o combate permanente às pragas quarentenárias, assim como os impactos socioeconômicos e ambientais para os sistemas produtivos em todo o Brasil. Na Amazônia, existem várias pragas quarentenárias presentes, com pesquisas relevantes desenvolvidas pela Embrapa, incluindo ainda pragas ausentes. O debate sobre este assunto se torna ainda mais necessário em função das fronteiras da Amazônia brasileira com outros países, como Bolívia, Colômbia, Peru, Venezuela, Guiana, Suriname e o Departamento da Guiana Francesa, onde ocorre o trânsito de materiais biológicos como plantas e frutos, entre os países.

Qual a diferença de Pragas Quarentenárias Presentes e Ausentes?

Pragas quarentenárias incluem uma longa lista de insetos, ácaros, fungos, bactérias, vírus, nematoides e plantas infestantes, com potencial para causar prejuízos sociais, econômicos e ambientais à agricultura do Brasil e também colocar em risco a segurança alimentar da população. O pesquisador Ricardo Adaime explica que Praga Quarentenária Ausente (PQA) é a praga de importância econômica potencial para uma área em perigo, que não esteja presente no território nacional. Enquanto Praga Quarentenária Presente (PQP) é uma praga de importância econômica potencial para uma área em perigo, presente no país, porém não amplamente distribuída e que se encontra sob controle oficial, como exemplo a mosca-da-carambola que tem circulação restrita atualmente aos estados do Amapá, Roraima e Pará.

De acordo com o analista Rinaldo Joaquim da Silva Júnior, o surgimento e estabelecimento de pragas causam impactos socioeconômicos e ambientais negativos aos sistemas produtivos em todo o Brasil. “Atualmente, Roraima é o estado que possui o maior número de pragas quarentenárias presentes e a que possui maior probabilidade de chegada de novas pragas devido a grande fronteira seca que possuímos com a República Federativa da Guiana e com a Venezuela. Essa probabilidade aumenta inclusive devido ao trânsito de materiais biológicos (plantas e frutos) com os refugiados e imigrantes que atravessam o país de forma ilegal”, destacou.

Mosca-das-frutas e ácaro vermelho-das-palmeiras

Nos últimos anos a Embrapa vem investindo em pesquisas para dar maior relevância ao tema. Foi promovido o “I Simpósio de Pragas Quarentenárias na Amazônia Brasileira”, em Roraima, em 2015, que serviu de base para a formulação do “Arranjo de Pragas Quarentenárias”, hoje incorporado ao “Portfólio de Sanidade Vegetal”.  Além disso, alguns projetos no âmbito da Embrapa foram realizados para estudar especificamente pragas quarentenárias, a exemplo da formação da Rede de Sanidade Vegetal (2002-2006); Rede Amazônica de Pesquisa sobre Moscas-das-frutas (2007-2010 e 2011-2015); Mosca-da-carambola no Brasil: biologia, ecologia e controle (2014-2018); e Introdução do parasitoide exótico Fopius arisanus (Hymenoptera: Braconidae) no Brasil com vistas ao controle biológico da mosca-da-carambola, os três últimos liderados pela Embrapa Amapá.

No âmbito da Embrapa Roraima, destacam-se estudos desenvolvidos nos últimos 12 anos, a exemplo do projeto Controle biológico de insetos por Trichogramma (Hymenoptera, Trichogrammatidae) em agroecossistemas e sistemas florestais no estado de Roraima (2008); além de pesquisas com o ácaro vermelho das palmeiras e sua ameaça para o Brasil enquanto praga de expressão quarentenária, abrangendo desde preparativos para o controle biológico, bioecologia, hospedeiros e controle; além do desenvolvimento de um pacote de Manejo Integrado do ácaro-vermelho-das-palmeiras para pequenos produtores de Dominica (Caribe) e Brasil, em 2014, e a ocorrência do ácaro-hindustânico-dos-citros (Schizotetranychus hindustanicus).

Prevenção de pragas quarentenárias ausentes

Com relação à prevenção de pragas quarentenárias ausentes, o esforço de priorização está registrado por meio de um trabalho realizado por 64 técnicos, a maioria do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, e da Embrapa,  publicado como e-book no seguinte link: http://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/196767/1/Livro-PragasPriorizadas-1ed-2018-Ainfo-ver-final-1.pdf

FIQUE POR DENTRO

Pragas quarentenárias presentes de maior importância na Amazônia brasileira, e as respectivas culturas agrícolas e sistemas produtivos mais afetados:

Espécies Culturas Agrícolas Sistemas Produtivos
Bactrocera carambolae

(mosca-da-carambola)

Mangueira, goiabeira, jambeiro, caramboleira, aceroleira, etc Fruticultura
Raoiella indica*

(ácaro-vermelho-das-palmeiras)

Palmáceas diversas Fruticultura e plantas ornamentais
Maconellicoccus hirsutus* (cochonilha-rosada) Diversas Diversas
Anthonomus tomentosus

(bicudo-da-acerola)

Aceroleira Fruticultura
Helicoverpa armigera*

(helicoverpa)

Culturas anuais Grãos
Schizotetranychus hindustanicus (ácaro-industânico-dos-citros) Citros Frutíferas
Pseudocercospora fijiensis (sigatoka-negra) Bananeira e Heliconia spp. Fruticultura e plantas ornamentais

*Hoje não constam da lista de Pragas Quarentenárias Presentes.

Elaboração: Ricardo Adaime.

Fonte: Embrapa Amapá – Dulcivânia Freitas (DRT-PB 1.063/96)